Curiosidades

Como funciona a curiosidade?
Os humanos precisam de algumas (poucas coisas) para se manterem como uma espécie: comida ;água limpa para beber; abrigo contra as intempéries e de se reproduzir. Fora isso, não há muito mais que seja necessário.
Mas uma análise rápida da cultura humana mostra como fomos para além das necessidades básicas, criando um mundo extremamente complexo – e, na opinião de alguns, complicado demais. A Internet, o telefone, os aviões, trens e carros, nossas casas, nossas roupas, nossas dietas, nossos brinquedos – tudo isso vai muito além das necessidades básicas.

É o caso da curiosidade! Esta aparentemente instintiva necessidade de obter informações das quais não precisamos é supérflua – e nos casos mais extremos, perigosa. Pense, por exemplo, em estar de frente para uma caverna escura. É a curiosidade que leva alguém a ver o que há nela – que pode ser uma furiosa fêmea de urso com sua ninhada. Vista de maneira simplificada, a curiosidade vai contra a teoria da evolução: os mais curiosos entre nós devem ter morrido antes de ter a chance de se reproduzir, levados pela seleção natural. Nós não precisamos realmente de fazer palavras cruzadas, ou descobrir o que há na caverna escura. Mesmo assim, temos um impulso quase incontrolável de o fazer isso.

Esta estranha motivação de explorar nosso mundo, indo além do que precisamos para sobreviver, levou-nos à Lua, ampliou a nossa mestria em curar o nosso organismo e deu-nos uma  melhor compreensão sobre os  nossos próprios genes. Só que ao mesmo tempo não compreendemos totalmente o meio que nos permitiu tais conquistas. A curiosidade permanece um mistério para nós mesmos!

Contudo, sabemos que:
No cérebro humano, a curiosidade é tratada de forma muito semelhante a outras atividades prazerosas, tais como comer. Quando buscamos ativamente novas informações através da nossa curiosidade somos recompensados com uma torrente de dopamina, indutora de prazer.
Além do sistema de recompensas, outras áreas do cérebro têm papel na curiosidade. Parece que regiões dedicadas à memória no córtex pré-frontal nos permitem diferenciar estímulos novos e previamente experimentados. Afinal, como teríamos algo que não curiosidade caso não conseguíssemos reconhecer coisas que já tivéssemos encontrado? Aparentemente o centro mais responsável por nosso senso de curiosidade é uma parte do hipocampo cerebral chamada dentate gyrus.

Em 2009, pesquisadores descobriram que o aumento da presença de uma proteína que interage com a dopamina no dentate gyrus provoca aumento significativo no comportamento curioso em animais [fonte: PhysOrg]. De novo a dopamina parece ter papel relevante na curiosidade.
Ainda é um mistério a forma como esse papel é desempenhado, assim como outros aspectos da curiosidade. Porque a curiosidade é considerada a força motora da curiosidade científica, é quase certo que ela vá um dia levar pesquisadores a entendê-la totalmente.

 

  • Menino Chinês tem olhos que brilham no escuro

(by João Gonçalves) 

Menino chinês tem olhos que brilham no escuro e conseguem ver bem na ausência de luz. O caso intriga os médicos. Estes dizem que a luz que os olhos da criança emitem assemelha-os aos de um gato.  
Uma anomalia pouco comum está a intrigar os médicos chineses que seguem o jovem Nong Youhui. O rapaz nasceu com olhos azuis – o que é muito raro entre os chineses – e uma incrível capacidade de ver no escuro. O mais curioso e inexplicável é que os olhos do menino são como olhos de gato, pois brilham no escuro e emitem uma luz azul esverdeada se lhes for apontada uma lanterna, por exemplo.
O pai de Nong disse que, quando a criança era mais pequena, os médicos garantiram que os olhos do filho se tornariam escuros, como o de qualquer outro chinês, no entanto a criança cresceu e a sua diferença não se esvaneceu. O grande problema, para Nong Youhui, tem a ver com situações em que a luz é muito forte, pois os olhos azuis dele bloqueiam pouca luminosidade. O caso vem sendo estudado há anos, mas ainda não há respostas concretas por parte dos especialistas. À volta do criança já surgiram olhares e vozes supersticiosas e maldizentes, há até quem o chame de extraterrestre híbrido.
 

www.youtube.com/watch?v=01LFxJ4SPPY&feature=youtu.be


tvnet.sapo.pt

 

  • Luzes na Península Ibérica

(by Ana Filipa Teixeira)

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=2207586